Atendimentos Psicológicos: permita-se!

Foto por cottonbro em Pexels.com

No processo de atuação na profissão – psicóloga -, tenho observado o quanto os pacientes vêm tendo resultados significativos. Uma emoção sem igual, porém entendo que isso se dá a partir do verbo: permitir. Sim! Quando o paciente permite fazer parte do processo terapêutico, o fato de dar o primeiro passo em decidir ir, já é um grande avanço! Para os pacientes isso é o diferencial, mas é também para os psicólogos em receber seus pacientes, pois tem a perspectiva de uma ação decisiva para ambos: atores do processo terapêutico.

WRIGHT (2019), nos adverte que “A relação terapêutica tem mostrado uma poderosa associação entre o resultado do tratamento e a força do vínculo entre terapeuta e paciente”. Sendo uma citação reflexiva para nossa atuação, que faz entrar em conexão com esse caminho que pode ser curto, médio ou longo prazo.  O psicólogo, por si só, não alcança tamanho resultado, bem como o paciente em sua individualidade, porém na medida que iniciam os atendimentos psicológicos, são protagonistas no progresso! Os dois estão em constante aprendizagem, para o avanço desejado.

A queixa está posta, mas só será amenizada com a participação ativa dos atores: paciente e psicólogo.  Na atuação da profissão e com certeza ao ver os avanços dos pacientes ficamos alegres, mas a consciência de que foi possível com essa parceria, reflete a ética no trabalho. Reconhecer no outro o potencial e a aprendizagem em si, é o significado positivo da vivência de ambos, sendo concretizada em uma bela ou não vivencia semanal: a sessão, sendo a escuta refinada do psicólogo e na fala repleta de liberdade do paciente. Os dois permitem o seu tempo para este encontro, deixam tudo ao seu redor e dão um ao outro este momento repleto de intensão de amenizar as dores ou sofrimentos do contexto da vida diária, porém se conectam para a melhora do tratamento.

Conhecer a si mesmo como profissional e o outro como paciente e vice versa, neste processo é uma possibilidade sem igual. Só quem já passou ou passa por este processo pode explicar de forma positiva este momento  riquíssimo em todas as dimensões. Por isso quero convidar você a participar deste caminho construtivo, reflita sobre ele e dê essa oportunidade de percorrer este processo e verás que esta riqueza, em cuidar e apropriar-se de sua saúde mental, é uma experiência repleta de significado. Não será um mar de rosas, pois toda bela rosa tem espinhos, mas será com certeza um percurso libertador. Seja você também um paciente, não no sentido de espera, mas que na espera está em ação, para sua liberdade. Afinal, os grandes heróis são aqueles que investem em si mesmos.

Psicóloga Regina de Lima Silva

Regina de Lima Silva

Psicóloga CRP 06/156480
Psicóloga Clínica, Pedagoga, Filósofa Psicopedagoga e Escritora de
Literatura Infantil

Ver todos os posts de Regina de Lima Silva